Etimologia de Balar


Balar é uma palavra que vem do latim bālāre (um verbo, presente ativo infinitivo de bālō) usada para representar os sons de vários animais, como ovelhas e cabras. Palavras relacionadas: balans, balatus, balitare, dibalare, belare.

Balar é utilizado em toda a literatura portuguesa. Em Immortalidade: Lenda, de Henrique Coelho Netto: “Era a felicidade que vinha vindo annunciando-se pelo aroma da florada precursora das messes e pelo balar da ovelha que era (…)” e no romance Almas Torturadas, de João Rabêlo de Morais: “O balar da ovelha, o ronco do porco, o mugido das vacas, o coaxar das rãs e o martelar dos sapos, formavam a sinfonia de Deus, nas vozes dos animais, para alegrar os homens, compensando-os dos amargos dias que passaram.”

Veja também o artigo Méé. Em inglês a palavra Baaing é uma combinação de Baa + ing.

Referências:

Durkin, Philip. The Oxford Guide to Etymology. Oxford: Oxford University Press, 2009.

Wedgwood, Hensleigh, and J. C. Atkinson. A Dictionary of English Etymology. 2d ed. London: Trübner &, 1872.