Historic ou Historical


As palavras historic (histórico em português) e historical (também histórico em português) são semelhantes, mas muito diferentes ao mesmo tempo.

Como em português utilizamos histórico para tudo não entendemos porque o inglês tem essas duas palavras diferentes.

Esta confusão é um dos bloqueios mais comuns no idioma inglês, e até mesmo os ingleses e americanos não entendem a diferença.

Utilizar historic ou historical?

Historic e historical são usados de forma ligeiramente diferente. Historic significa ‘famoso ou importante na história’; por exemplo: a historic occasion (uma ocasião histórica), enquanto que historical significa: ‘relacionado com a história ou eventos históricos’, como em historical evidence (evidência histórica): ou seja, um historic event (evento histórico) é aquele que foi muito importante, enquanto que um historical event (também evento histórico) é algo que aconteceu no passado.


Historic refere-se a algo que era famoso ou importante na história. Exemplos:

  • Sampaio was an historic figure. (Sampaio foi uma figura histórica.)
  • That was a historic conference. (Essa foi uma conferência histórica.)
  • September 8 was a historic day. (8 de Setembro foi um dia histórico.)
  • It was a historic afternoon. (Foi uma tarde histórica.)
  • The Algarve is a historic region. (O Algarve é uma região histórica.)

A palavra historical, por outro lado, está preocupada com o passado, mas as duas palavras podem ser usadas da mesma maneira. Mas, claro, tu podes escrever a historical event (um evento histórico); a historical night (uma noite histórica); a historical statue (uma estátua histórica); a historical apple (uma maça histórica), etc.

Entendes? Para usar o historic, algo deve ser importante ou famoso, mas historical não têm essa exigência. As palavras se sobrepõem, mas são ligeiramente diferentes.

Outra coisa importante: A ou An? Se também estas confuso sobre isso, aqui tens: An Historical or a Historical.

Referências:

Oxford Dictionary of English. 3rd ed. Oxford, New York: Oxford University Press, 2010